top of page
Buscar
  • barauceds

Tudo o que você precisa saber sobre a síndrome do impostor!

Você já teve aquele sentimento de que é uma fraude?


De que você não merece nada daquilo que alcançou, mesmo que tenha se esforçado muito pra isso?


Atribui à "sorte do momento" toda vez que conquista algo, como se não merecesse por competência sua?


Vive com aquele sentimento de que todo mundo vai achar ruim o que você faz?


"Síndrome do impostor" foi o nome criado para quem sofre constantemente desse sentimento. E você não está sozinha nessa: segundo um estudo realizado na Universidade Dominicana da Califórnia, 70% dos profissionais bem sucedidos sofrem da síndrome do impostor, sendo que a maioria das afetadas pela síndrome são mulheres.


Nomes muito conhecidos como Emma Watson, Natalie Portman e Meryl Streep já relataram publicamente que lutam constantemente contra esse sentimento, mesmo tendo uma carreira de sucesso.


Os pensamentos e sentimentos mais comuns em pessoas que sofrem dessa síndrome são: uma insegurança constante, ansiedade, perfeccionismo, medo da exposição, e também os famosos "não sou capaz", "eu não mereço", "todo mundo vai achar ruim e descobrir que eu sou uma fraude".


E a convivência com tais pensamentos e sentimentos trazem várias consequências negativas para o dia a dia, como autossabotagem constante, ansiedade ao realizar tarefas importantes, procrastinação e dependência de aprovação externa.


Mas atenção: apesar de ser nomeada como uma síndrome, na psicologia esse sentimento não é considerado um diagnóstico. Se você for procurar no CID (Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde) ou no DSM (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais), você não irá encontrar esse nome por lá.


Isso porque a síndrome na verdade indica um sintoma, um sinal de que algo não vai bem na construção de imagem e das crenças que você possui sobre você mesma.


Tá psi, eu super me identifiquei e acho que tenho essa síndrome. Mas o que eu faço para lidar com isso?


Existem sim algumas coisas que você pode fazer para enfrentar a síndrome, e eu vou te apresentar os principais caminhos de como conseguir isso:


1) Encontre, valorize e invista nas coisas em que você é boa

Sim, todo mundo tem algo em que é bom. E você precisa se encontrar com essas suas potencialidades, assim como investir nelas e aprender a valorizá-las. Pare de olhar somente para aquilo que não vai bem, e de reduzir a sorte tudo aquilo que você é capaz de fazer!


2) Aceite as potencialidades que os outros percebem em você

Sim, eu estou falando dos elogios! Preste atenção e acolha toda vez que alguém destacar algo bom em você. Isso pode te ajudar não só no fortalecimento da sua imagem de si, mas também a identificar algumas coisas caso você não consiga sozinha. Mas cuidado: não dá pra ficar dependendo só do olhar do outro pra perceber coisas em si, viu?


3) Perceba que todo mundo tem inseguranças, mesmo as pessoas que você admira

Sim, até aquela pessoa na qual você espelha, e as vezes até se pega desejando ter a vida dela, tem inseguranças. Pense que tudo o que você vê sobre a vida de uma pessoa, principalmente uma pessoa pública, é o palco, o que ela quer que você veja. É nos bastidores que estão as coisas difíceis, os sentimentos ruins, as batalhas.

E digo mais: aquilo que você interpreta como sucesso na vida dessa pessoa, as vezes pode nem ser a partir da perspectiva dela. Todo mundo tem sua própria definição de sucesso, assim como seus descontentamentos com sua jornada e suas inseguranças. Você não é a única.


4) Tenha uma percepção realista do que não vai tão bem, e tente melhorar (se isso fizer sentido pra você)

Só perceber as coisas ruins não adianta nada, pra além de se martirizar, se culpar e sofrer por isso. O que vai permitir uma mudança nesse sentido, é você se haver com isso que não vai tão bem, e buscar estratégias para mudar. Você não pode ser bom em tudo e a perfeição não existe. Mas você pode buscar melhorar um pouco a cada dia naquilo que te traz desconforto.


5) Se tiver difícil sozinha, busque ajuda: faça psicoterapia!

O processo terapêutico é, sem dúvidas, a melhor forma de enfrentar a sua impostora interior! Isso porque, expressar seus pensamentos e sentimentos em relação a si mesma pode não só aliviar o seu sofrimento, como também pode te ajudar a identificar o que faz com que você se sinta assim, e construir algumas formas efetivas de enfrentamento disso tudo. E a profissional psi está mais que preparada pra te ajudar com tudo isso, no seu tempo e sem julgamentos!


Dica extra: não realize auto diagnóstico! Sempre que se identificar com síndromes ou transtornos, ou não tiver se sentindo bem psicologicamente, busque auxílio de um profissional de saúde!


Com carinho,

Dominique S. Barauce

CRP 08/25857

10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page